Quarta-feira, 9 de Novembro de 2011

A CRÍTICA DA PNET LITERATURA AO LIVRO A BOFETADA, DE CHRISTOS TSIOLKAS


“É o mundo moderno, Anouk. Somos todos putas.” Pág. 87
A Bofetada de Christos Tsiolkas é um rasgo na realidade do leitor. Há livros assim: Pegam em nós e conseguem sacudir a nossa realidade até à quase insuportável inquietação.
A tensão existe e é mantida desde a primeira até à última página.

O enredo apoia-se em várias perspectivas, numa polifonia, sem perder coerência. A narração adopta, frequentemente, o discurso indirecto livre. A perspectiva associa-se de tal forma ao pensamento de cada personagem que, por vezes, não temos a certeza a quem pertence a voz que “ouvimos”. A linguagem apodera-se da realidade, expressa-se de forma obscena e, por vezes, caricatural. No entanto, poucas vezes é utilizada de forma gratuita. O comportamento das personagens consegue melindrar mais do que o léxico utilizado.
De uma maneira ou de outra, o
leitmotiv (a bofetada dada a uma criança) é debatido em todos os capítulos. E é desta forma que o texto não perde a coerência e a leitura mantém-se fluente.

 

Podem ler na totalidade a crítica do PNET Literatura, da autoria de Mário Rufino, a A Bofetada, de Christos Tsiolkas, aqui.

publicado por Miguel Seara às 15:26
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar





Descarregue o presskit do livro








tags

a série

biografia

críticas

diário digital

entrevista

expresso

guia de críticas

i

jornal de notícias

ler

o jogo

os meus livros

passatempo

pnetliteratura

primeiro capítulo

público

sábado

sinopse

teatro

vídeos

todas as tags

subscrever feeds